Saiba Mais de Nômade, nova publicação de Mailson Furtado

_____________________________________________________________________________

 

Nômade é um compilado dos primeiros escritos e publicações poéticas de Mailson Furtado. Compõe-se de 43 textos, todos escritos de 2007 a 2014, publicados inicialmente nos livros Sortimento e Versos Pingados, 2 deles, em Passeio pelas ruas de mim, e outros 5, inéditos.

Sem um lugar fixo de encontro, traz incrustada na sua voz e formas, as primeiras influências de Mailson: marcas muito fortes da geração mimeógrafo e tropicalista, de traços líricos drummondianos e rítmicos da poesia popular nordestina, com uma ou outra pitada neoconcreta, que guiam o entendimento da gênese dos experimentalismos presentes nas obras que se seguiram (à cidade, passeio pelas ruas de mim [e de outros] e ele). Com raras exceções, todos os poemas, se comparados a sua primeira publicação, passaram por um processo de lapidação e acabaram por receber releituras, ganham uma nova roupagem, mas sem a perca de seus motivos centrais quando compostos.

Pralém dos 43 poemas, o livro finda com um texto analítico do próprio autor sobre a obra, a trazer reflexões sobre a construção do projeto. O texto de orelha é de Noélia Ribeiro, capa de Renancio Monte, com projeto gráfico e diagramação de Mailson Furtado. O lançamento está previsto para setembro em formatos físico e e-book, mas já se encontra em pré-venda com desconto especial:

http://mailsonfurtado.com.br/produto/nomade/

Confira alguns poemas que compõem Nômade:

REFLEXO

o espelho reflete
a luz colorida
a luz sem cor

numa foto durmo
e caibo num
pedaço de luz

PARÁBOLA DA GOTA

pinga uma gota
outra gota
e lá vem outra

depois de quarenta
cento e dez
duzentas e quarenta e três gotas
: um litro
vários litros
uma poça
um rio
um Nilo
um mar de gotas
únicas

única

gota

MIGRAÇÃO

foi Maria
foi José
foi Rosana
Lílian foi também
e foram todos

foram
porque o Marcos foi
a Rosário
o Pedro Augusto
e também fulano de tal

alguns voltaram
ficaram
outros de férias

nessa via dupla
há perdidos
feridos
e há quem abalroou a morte


a vida parece longe

Deixe Um Comentário

Nenhum produto no carrinho.

X